O MAIOR GENERAL DOS ESTADOS UNIDOS

“Robert Lee chegou o mais perto possível de ser uma divindade viva… e quando ele morreu, o ar serenou.”

                          (Richard Dreyfuss, ator vencedor do Oscar, Golden Globe e BAFTA)

 

Nas cercanias de Washington, às margens do Rio Potomac, há um aprazível conjunto de colinas, onde estão enterradas algumas das pessoas mais icônicas da História dos Estados Unidos: o Cemitério Nacional de Arlington, Virgínia. Lá estão os astronautas da nave Challenger, o general Omar Bradley, o cientista Albert Sabin, o Senador Robert Kennedy e seu irmão, o Presidente John Fitzgerald Kennedy, acompanhados por milhares de soldados mortos em todas as guerras dos EUA. Isto, muita gente sabe.

Mas, o que nem todo mundo tem conhecimento é que este local sagrado era uma fazenda que foi confiscada pela União do tático mais brilhante de toda a História dos Estados Unidos, o general Confederado (sulista) Robert Edward Lee durante a Guerra da Secessão (1861-65). E, por suprema ironia da história – e há muitas na vida deste homem – seu antigo proprietário não está enterrado ali. Agora vamos saber porquê.

O Cemitério Nacional Arlington

Nascido em 1807, era filho de um também herói de guerra, o General Henry Lee III. O pai faleceu antes de Lee ingressar na Academia Militar de West Point, em 1825. Aí, já começa o primeiro paradoxo do futuro General Robert E. Lee: ele não se formou infante, ou artilheiro, nem foi da arma de Cavalaria. Lee graduou-se em Engenharia Militar, especializando-se em construir fortificações e fazer levantamentos topográficos para obras civis e militares. Ou seja, o futuro líder militar mais ágil, rápido e ofensivo da Guerra da Secessão Americana era um homem que aprendera a combater de posições fixas no início de sua carreira!

Em 1861, a América estava dividida: de um lado, a industrializada União – o governo do Presidente Abraham Lincoln – o qual desejava abolir a escravidão, contrapondo-se aos Estados Confederados do Sul, todos agrícolas e dependentes da mão de obra escrava, os quais decidiram se  separar da União. A guerra era inevitável.

Quando as hostilidades entre Norte e Sul eclodiram ainda naquele ano, Lee, (que não desejava a guerra), acabou sendo movido pela lealdade ao seu estado natal, a Confederada Virginia. Pediu, então, demissão do exército nortista e voltou ao seu torrão, onde recebeu um comando militar. Há que se fazer um parênteses neste ponto de nossa narrativa: Lee provavelmente tinha lá suas reservas sobre a moralidade da escravidão, mas elas foram definitivamente abafadas por suas raízes sulistas.

 De início, suas funções no exército confederado foram puramente defensivas, mas a partir da Segunda Batalha de Manassas (ou Bull Run, 28 de agosto de 1862), ele, em flagrante inferioridade numérica contra o Exército da União, (tinha 49.000 soldados contra 76.000 do inimigo) derrotou seu oponente infligindo 16.000 baixas ao Norte (contra apenas 9.000 sulistas).

Daí em diante, este seria o “modus operandi” de suas operações, atacar em inferioridade numérica, obtendo a vitória através de brilhantes movimentos táticos que tiravam o melhor aproveitamento possível do terreno. Ele sabia envolver o oponente, manobrava seu exército com maestria e conseguia extrair o máximo rendimento de seus homens no campo de batalha. Uma verdadeira raposa, das 13 grandes batalhas que travou nos quatro anos que durou a Guerra da Secessão, ele venceu 6, perdeu 5 e empatou duas.

Os segredos do seu sucesso? São vários, mas vamos tentar enumerar apenas três deles aqui, pois servem de ensinamento até os dias de hoje, e transcendem para áreas do conhecimento muito além da pura arte da guerra:

1- Inobstante seu caráter tímido, Lee era um líder brilhante, que inspirava seu pessoal. Dizem que ele conseguiria transformar em soldado qualquer pessoa que tivesse braços e pernas!

2- Lee possuía muita experiência. Seus anos como oficial júnior foram de grande aprendizado construindo fortificações por todo o interior dos Estados Unidos e mais tarde, como oficial superior, adquiriu expertise combatendo na guerra contra o México (1846-48);

3- Ele teve sob seu comando alguns dos melhores generais da Guerra Civil, tais como P.G.T. Beauregard, Stonewall Jackson e J.E.B. Stuart, todos homens brilhantes que ajudaram a  transformar seus planos e decisões em realizações práticas no campo de batalha .

Mas, a excelência tática de Lee não bastou para conduzir o Sul Confederado à vitória final. O poderio industrial da União, aliado às suas facilidades de comunicação e logística e amparados por um eficiente bloqueio naval, acabaram por fazer valer o peso dos números e levar os sulistas à rendição em Appomattox, em 09 de abril de 1865.

Lee foi um grande general (provavelmente, o maior que os EUA já tiveram), mas estava do lado errado da História. A causa do Sul estava perdida antes de começar, pois a liderança política confederada não conseguira perceber a desumanidade e a ignomínia que haviam na escravidão, e que era chegado o tempo de extingui-la. Causa que custou as vidas de mais de 700.000 americanos, mortos  por seus próprios conterrâneos.

Lee e Traveller

Após o conflito, Lee (que perdeu seus direitos políticos, mas foi anistiado) tornou-se um ícone da reintegração do Sul e da reconciliação nacional, colaborando positivamente com a pacificação e reunificação dos Estados Unidos até sua morte, em 1870.

Seu leal cavalo Traveller, que o acompanhou por boa parte da guerra, morreu pouco tempo depois. Ambos foram enterrados na sulista Virgínia, não muito distante de Arlington.

Você também poderá gostar de:

SE O DUQUE DE CAXIAS NÃO FOSSE BRASILEIRO

Assista ao vídeo da festa em Santa Barbara D’Oeste que comemora os 150 anos da chegada de americanos sulistas ao Brasil:

 

Posted in Uncategorized and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , .

4 Comments

  1. Pingback: SUN TZU – TRÊS INSIGHTS DE SUCESSO NA OPERAÇÃO #LAVAJATO | Robinson Farinazzo

  2. Pingback: O GENERAL MAIS PERIGOSO DE HITLER | Robinson Farinazzo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *